junho 25, 2017

Mini-férias no Alentejo: À descoberta de um pequeno paraíso

Este ano queria fazer algo diferente...
O aniversário do meu pai foi apenas o ponto de partida para uma pequena aventura.
Quem nos conhece, sabe, que o meu pai adora o Alentejo, ou não fosse ele próprio alentejano. No entanto, pelos mais diversos motivos que a vida nos apresenta, há muito que lá não íamos - motivo mais que suficiente para me lembrar de lhe oferecer uma estadia de 3 noites no Alentejo, mas onde?

Foi assim que tudo começou.
O Alentejo é vasto e apresena zonas tão distintas e ricas cultural e gastronomicamente que foi difícil decidir. Lembrei-me que ele nunca tinha visto o Alqueva, esse grande lago artificial que tem andado nas bocas de meio mundo. Sabia que ele ia gostar da ideia e mais... quis a sorte (ou outra qualquer energia) que este ano fosse inaugurada a primeira praia fluvial no Alqueva, em margens portuguesas.
Tendo o Alqueva e a sua praia fluvial como objectivo, comecei a tratar de tudo o resto... onde ficar, onde comer, o que fazer e o que ver. Mais uma vez, a variedade e quantidade são tantas que difícil é escolher tendo em conta o tempo que lá iríamos estar. Procurei nas redondezas um alojamento que fosse típico, não demasiado caro e que, preferencialmente tivesse piscina (o Verão no Alentejo é extremamente quente, para mais se estivermos no interior).

De todos os lugares que vi, houve 2 que se destacaram. Avancei com reserva para um deles: a Herdade dos Barros (em Terena, concelho do Alandroal). A informação que obtive da herdade era parca, essencialmente uma breve descrição, algumas fotos e, factor decisivo, muitas reviews, quase todas elas excelentes.

Devo dizer que o tempo que passei na Herdade não ficou, em nada, aquém do que tinha lido de outras pessoas que por lá tinham passado.Pelo contrário, acho que superou as expectativas.

A casa é de traça típica e toda a decoração, embora simples, demonstra as raízes e costumes da terra. O quarto é espaçoso, imaculadamente limpo; as camas confortáveis e o ar-condicionado acabou por se mostrar essencial (tivemos temperaturas a rondar os 40ºC). A piscina, de dimensão média, é limpa diariamente, rodeada por relva e por algumas espreguiçadeiras - o ideal para um dia de sol, mergulhos e sossego. O pequeno-almoço é continental e não é buffet. Contudo, não pensem que isso significa que é pior ou que servem menor quantidade. Nada disso. Todos os dias tínhamos na nossa mesa pão alentejano (devidamente fatiado), queijo flamengo, fiambre, manteigas, queijo fresco, fruta da época, sumo de laranja, café, leite, croissants / pãezinhos de leite e bolinhos secos (ou bolo de fatia).
No restaurante são servidos pratos típicos alentejanos, feitos pela mãe do proprietário, a dona Rosário, que, diga-se de passagem, é uma cozinheira de mão cheia, além da simpatia e cuidado com que trata os hóspedes. Por sua vez, o proprietário, o Rui, é também muito simpático e prestável, sempre com um sorriso pronto e uma dica divertida, fazendo-nos sentir verdadeiramente em casa e à vontade.


A cerca de 100m encontra-se uma pequena barragem - Lucefécit - onde se podem fazer umas belas caminhadas e tirar boas fotos.


Como referi, o pretexto para a elaboração desta viagem foi o Alqueva. Eis que no dia seguinte à nossa chegada rumámos a Monsaraz para experimentar a mais recente atracção da terra - a praia fluvial. Muito limpa, com bastante vigilância, boas infra-estruturas e os acessos estão devidamente indicados. Pontos menos positivos: a areia grossa (que são mais pedrinhas que areia) e a quantidade de pedras dentro de água - podem tornar-se incómodas se não levarmos calçado aquático.
Conselho: levar protector solar e chapéu ou arriscam-se a um valente escaldão.


Naquela região há muito para ver e vale bem a pena visitar as vilas medievais ao longo do Alqueva: Alandroal, Juromenha, Terena e Monsaraz. As vilas conservam os seus castelos (alguns em melhor estado de conservação que outros), as casinhas típicas e dentro das muralhas encontram restaurantes típicos com excelente comida (pelo menos no Alandroal e em Monsaraz, os quais pude comprovar).

 


E não podemos falar em Alentejo sem falar em vinho. Sim, também houve uma visita a uma herdade vinícola com direito a prova de vinhos - a Herdade da Ervideira. A visita é divertida, com uma explicação simples, mas completa de todo o processo e diferenças entre os vinhos. Os vinhos, esses, são excelentes e, alguns, únicos no mercado. Durante a prova vão poder comprovar isso mesmo. Destaque para o "invisível" e para o "vinho d'água". Soa-vos estranho? Façam a visita, provem os vinhos e vão ver que fará todo o sentido.

 

Em suma, foram 3 dias (o 4º dia foi dia de regresso, pelo que não há muito a contar) muito bem passados, regados com bom vinho, acamados com boa comida, rodeada de pessoas genuínas, que têm a arte de bem receber no sangue e a descobrir um pequeno paraíso onde garantidamente pretendo regressar.

Por último o meu mais sincero obrigada ao "staff" da Herdade dos Barros (Rui e dona Rosário), pela simpatia com que nos receberam, por estarem sempre disponíveis e preocupados em fazer da  nossa estadia nada menos que perfeita. O meu obrigada também à Joana (a nossa guia na Herdade da Ervideira) pela paciência, simpatia e boa disposição, assim como à Sandra (Ervideira wine shop em Monsaraz) pelo sentido de humor e simpatia com que nos recebeu.

abril 22, 2017

O Feitiço da Moura - será que temos capa?

Durante meses pesquisei bancos de imagem à procura de uma que se adequasse, que representasse nem que fosse uma pequena parte do que escrevi.
Tinha uma ideia muito própria do que queria e nenhuma imagem se aproximava sequer do que tinha em mente.
Hoje, por mero acaso, ou não, decidi dar nova oportunidade à pesquisa e, embora não seja exactamente o que tinha imaginado, eis que me apaixonei por esta imagem e fiz um teste.

Será que temos finalmente a capa para O Feitiço da Moura?